24 novembro 2011

16 novembro 2011

Morro de medo de reencontrar o sentimento suspenso no tempo pela tua ausência. Morro de medo de saber em parte que, provavelmente, morrerei sozinha.