22 junho 2017

I can’t make you love me (more) if you don’t

Quando um amor floresce, o sentimento vem por igual. 
É o tempo que tende a desequilibrá-lo.
Nunca me tinha realmente preocupado ou apercebido disto até tu me falares nisso; que tinha acontecido contigo, que assim o foi durante muitos anos.
Reparei aos poucos, sabes. Coisas que agora dizias, quando outrora os planos eram diferentes. Outras que deixaste simplesmente de dizer. Um acomodar tão rápido, que nunca me deu tempo de tirar os óculos cor-de-rosa. 
Foi aos poucos que acordei para a realidade que, de facto, eu te amo tão mais. De forma tão mais intensa, tão mais apressada. 
Esfriei. Senti-me a afogar nos meus próprios sentimentos, com necessidade de me resguardar por saber que nunca voltarei a permitir a alguém que me magoe.
Sei que me amas. Mas saber, sentir mesmo, que te amo mais, não me deixa dar-me a ti, da forma que ainda assim, continuas a merecer. 

Eu sei que reparaste… mas nunca te poderia dizer isto. Não se mendiga amor. Muito menos se pede mais do que aquilo que já se recebe.

04 junho 2017

# 2

Sentir que os nossos destinos estariam entrelaçados no momento em que demos a mão pela primeira vez, nos perdemos no momento e ficamos ali, sem pressa de largar.

09 maio 2017

Nunca outros braços encaixaram tão bem em volta do meu corpo, nunca os passos de outro alguém rodopiaram com tanta harmonia com os meus, nunca uma melodia foi mais bonita que os batimentos do teu coração - esse lugar tão meu!
Foste Tu quem me mostrou o verdadeiro significado de ver La Vie en Rose. Mesmo tendo eu dois pés esquerdos, é tão fácil dançar contigo pela vida fora.



“C'est lui pour moi
Moi pour lui dans la vie
Il me l'a dit, m'a juré pour la vie!”

07 novembro 2016

Quando não se percebe qual a intenção, se amizade se roubar-me um beijo, e se tem um coração caladinho como o meu, a hipótese que resta é sorrir-te; para que te apercebas que sim, por favor, vem, vem já, dá-me esse abraço mas traz o beijo contigo.

29 julho 2013

São os teus olhos

São os teus olhos, querido.
Um castanho profundo, no qual a maioria das pessoas se perde...
Eu não me perco! Encontro-me por lá, mais eu, mais tu, mais nós. Um coração cheio, finalmente ciente do que segura entre mãos - pele áspera de mãos tão trabalhadoras, o meu orgulho entrelaçado nas minhas, pronta a guiar-te mundo fora, felicidade dentro se mo permitires.
E não mudava nada, nem um fio de cabelo nem uma falta dele, nem um sorriso nem lágrima – foram eles que me trouxeram ao de cima do remoinho e te fizeram ver a que lugar pertences.

São os teus olhos, querido, tão teus a pousar nos meus, lá que nos encontramos, dia após dia, na calmaria do nosso mar. Tudo ao seu tempo, bem certo, bem devagar.

16 julho 2013

Impressiona-me como ainda me procuras quando não sabes como descansar a mente confusa. Ouço-te adormecer e sorrio. Como é bom saber que ainda te sei dar Paz capaz de te fazer adormecer em qualquer circunstância. Aconchego-te em mente e escuto atenta cada respiração tua até a chamada cair. Cuido-te o sono, tal como sempre o fazia. Podes não sorrir para mim, mas algo me diz que ainda é para mim que respiras. E sabe o céu como é possível passar um dia sem sorrir....agora sem respirar - nem um segundo. 
Que durmas em paz, meu amor.