10 dezembro 2017

Embrulhos de Saudade

De tantas escolhas erradas que fiz, tu nunca serás uma delas.
Podemos nunca ter sido perfeitos (para quê?), mas valíamos tanto a pena.
Disseste-me sempre que nunca sentiste nada igual ao que sentiste por mim.
Agora pergunto-me, se te custou tanto desapegar da primeira relação, como hás-de me superar a mim? 

03 dezembro 2017

Certezas tenho duas.
Que tinhas tudo para ser importante na minha vida e decidiste ser nada. E que por nada não é possível sentir algo.

28 novembro 2017

Contra factos não há sentimentos. 
Por muito que eu sinta que o teu coração ainda me persegue e a tua mente desespera que eu venha para aqui escrever. 
Tu não te dás. 
Arriscas-te a morrer-me por 2017.

20 novembro 2017

Para secar é preciso pôr a alma ao vento

Sempre tive tantos planos em mim. 
Sabia que queria fazer e ser diferente. Sabia que queria encontrar alguém que me deixasse o mundo ao contrário, como quem baloiça de cabeça virada para o chão, com o coração a subir-nos à alma em êxtase, a química a contagiar-nos o corpo e a passar por ele inteiro. E sim, sermos inteiros também, cada qual à sua maneira, predispostos a partilhar o que nos une e diferencia, e sermos nunca descartáveis.
Sempre quis acreditar que tudo o que acontecia tinha algum significado algures escondido. Nunca tive medo de viver nem o bom nem o mau, nunca tive medo de me ajustar aquilo que a vida me propunha. E sempre fui feliz assim. 
Quando cheguei ao meu pico, com um amor sem igual com projeção para a velhice em família, a minha família, um bom emprego que para além de estabilidade me trazia alegria e satisfação em ajudar quem mais precisa, saúde sem medo da maldita genética, e planos, tantos planos, de quem está de bem e sorridente com o que a vida lhe traz, senti-me, pela primeira vez, completa. 
Eu era inteira. 
Tinha chegado onde devia, à vontade do meu destino, da forma como a vida decidiu guiar-me. 
E foi aí, que ela me atraiçoou, levando tudo, para além de todos os sentimentos mais puros que sempre almejei guardar tão em mim. 
Quando a vida nos tira tudo, não é que não nos sobre nada. 
Não SOMOS nada. 
E ser nada, nada mais é que um fardo demasiado pesado para levar às costas de uma alma quebrada que deixou de acreditar.
Ser nada era tudo o que nunca quis ser.



(...e para ajudar, uma memória dedicada a datas!
Noite estrelada. 
Frio. 
Chafariz da câmara municipal. 
Coração aos pulos.
O primeiro beijo, tão esperado. 
Faz um ano.)

13 novembro 2017

Transbordam-nos as saudades que permanecem no bolso do peito e teimam atropelar qualquer pensamento que tente atravessar o coração. Transbordam-nos, porque sei que não sou a única a dar com o coração no chão. O que não sei é porque teimas em despistar o teu, quando na verdade, não há nada mais belo que a colisão dos nossos corações, a rasgarem-nos o peito de sentimento. Visível, palpável, tal como sempre nos disseram.
Sou o coração da tua vida, sabes? 

27 outubro 2017

Aos 27 de Outubro de 2016

“Olá R. Tudo bem? Sei que deve parecer cliché, mas obrigado por teres aceite o convite.”
“Ora essa :) sendo assim, para ser diferente… obrigada pelo pedido!”

Foi assim. Simples assim. Sentido.
Começaste tímido, mas tornaste-te destemido muito rapidamente. Não tinhas margem para dúvidas.
Sabes porquê? Porque não tinhas receio de te expor, nem medo de mostrar o que sentias. 
Acabei por aprender isso contigo. 
Agora não me faz confusão confessar o que vai cá dentro, nem me parece minimamente rebaixador ou humilhante defender os meus sentimentos. É puro, é sincero, é sentido.
Sabes que sinto sempre muito. Sabes o quanto o meu sentido é apurado. 
Começo a perceber que entrei na tua vida para te acordar para ela, pois embora sempre tivesses os sentimentos bem despertos, estavas adormecido para ti mesmo. Vim para te lançar para fora da tua zona de conforto...
E repara, acordaste! 
Estás finalmente a tomar os passos certeiros para poderes viver, no sentido máximo da palavra, e aproveitar o pouco tempo que este mundo reserva.
Sim, tens que passar por isto sozinho. Porque também eu tenho coisas por resolver, sozinha, no meu espaço, ao meu tempo. 
Mas digas o que disseres…penses agora o que pensares…diga eu o que disser por vezes...eu SEI que fomos feitos um para o outro. Terás de lutar, mas... Um dia caso-me contigo.
És o meu testo, vais ver!

Tu e eu fazemos sentido.




Um dia (re)encontramo-nos por aí.


18 outubro 2017

Parabéns, N.

Perdemo-nos de amores e pelo caminho um do outro. Cada qual com os seus demónios e batalhas para travar. Mas nem esses me abalam a certeza de que és o amor de uma vida. Da minha! Tornaste-me numa pessoa mais sonhadora, mais confiante e - repara só - dás-me vontade de lutar; por ti, por nós, pelo que já fomos e pelo que acredito que um dia possamos ser. Sim…porque eu vou esperar. Nem a minha cabeça e muito menos o meu coração me dão hipótese de fazer outra coisa. Porque nunca outro alguém conseguiu ler-me como tu; desmascarar-me as emoções e confrontar-me com elas. Porque nunca me senti tão amada como o fui por ti. Porque nunca quis amar tanto alguém como te amo a ti.
Desculpa se por um único segundo te fiz duvidar de quão belo és enquanto ser humano. Pois acredita, para mim não haverá igual.

Feliz aniversário, Coração. 
Guardo-te por cá. Guardo-te em amor. Guardo-te em mim, Amor.


Pede um desejo.

09 outubro 2017

Serei só eu?

Quando a mente vagueia, sem perceber o que lhe aconteceu,
sentirás estremecer o teu mundo, da maneira que estremeceu o meu?

Quando a saudade esmaga, minha mente, corpo e alma,
saberás o porquê de seres o único que me aquece, acolhe e acalma?

Quando as lágrimas caiem, rosto abaixo até ao chão,
diz-me, porque não queres lá estar, para me abraçar e dar a mão?

Quando o coração baloiça, e o teu vento o deixa de empurrar, 
o que acontecer-lhe-á quando deixar de baloiçar?

19 setembro 2017

Não é que tenha dúvidas; continuas a não me caber em sentimento. 
Se de algo me interrogo é de como lidar com o teu coração agora. Se precisa de ar para não sufocar, se amor para não desaprender a amar. 

06 setembro 2017

Lutar significa acrescentar - à vida, ao tempo, ao amor.
Quando equivocado com remover, aos poucos, da vida e do tempo, será que ainda resta amor?

04 junho 2017

Das coisas que prendem

Sentir que os nossos destinos estariam entrelaçados no momento em que demos a mão pela primeira vez, nos perdemos no momento e ficamos ali, sem pressa de largar.

09 maio 2017

Nunca outros braços encaixaram tão bem em volta do meu corpo, nunca os passos de outro alguém rodopiaram com tanta harmonia com os meus, nunca uma melodia foi mais bonita que os batimentos do teu coração - esse lugar tão meu!
Foste Tu quem me mostrou o verdadeiro significado de ver La Vie en Rose. Mesmo tendo eu dois pés esquerdos, é tão fácil dançar contigo pela vida fora.



“C'est lui pour moi
Moi pour lui dans la vie
Il me l'a dit, m'a juré pour la vie!”